Mostrar mensagens com a etiqueta #Alejandra Pizarnik. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta #Alejandra Pizarnik. Mostrar todas as mensagens

dezembro 18, 2015

PLAY Chopin Preludio em mi menor Po. 28 N.4

UM ABANDONO 

Um abandono em suspenso.
Ninguém é visível sobre a terra.
Só a música do sangue
assegura residência
num lugar tão aberto.

Alejandra Pizarnik (1936-1972)
Antologia Poética, O correio dos Navios, 2002

outubro 29, 2015

©Irving-penn: amber-valletta-new-york-1996
PLAY Carmen McRae A song for you

MENDIGA VOZ

E ainda me atrevo a amar
o som da luz numa hora morta
a cor do tempo num muro abandonado.

No meu olhar perdi tudo.
É tão longe pedir. Tão perto saber que não há.


Alejandra Pizarnik (1936-1972)
Antologia Poética, O correio dos Navios, 2002

julho 31, 2015

Fotograma do filme O grande silêncio do realizador Philip Gröning

POEMA
Eleges o lugar da ferida
onde falamos o nosso silêncio.
Fazes da minha vida
esta cerimónia demasiado pura.

Alejandra Pizarnik
Antologia Poética, O correio dos Navios, 2002

28
ficas longe dos nomes
que tecem o silêncio das coisas

Alejandra Pizarnik
Antologia Poética, O correio dos Navios, 2002

CARÊNCIA
Eu não sei de pássaros
não conheço a história do fogo.
Mas julgo que a minha solidão deveria ter asas.

Alejandra Pizarnik
Antologia Poética, O correio dos Navios, 2002
©Irving Penn. Man with pink face, new Guinea, 1970
QUARTO SOMENTE
Se te atreves a surpreender
a verdade desta velha parede;
e as suas fissuras, escaras,
formando rostos, esfinges,
mãos, clepsidras, 
seguramente virá
uma presença para a tua sede,
provavelmente partirá
esta ausência que te bebe.

Alejandra Pizarnik
Antologia Poética, O correio dos Navios, 2002