Mostrar mensagens com a etiqueta $Arvo Pärt. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta $Arvo Pärt. Mostrar todas as mensagens

outubro 01, 2016

outubro 10, 2015

©W. Eugene Smith. “As From My Window, Sometimes Glance…”, 1957
PLAY Arvo Pärt Silentium

Neste ofício de ser vivo às vezes,
ostentamos no peito a casa e o prado,
onde procuramos o silêncio de uma oração que nos oiça.
Mas as preces que ansiamos
não vivem nas palavras,
não vivem nas imagens,
não vivem nos sons,
não nos dizem quando somos, quando havemos de ser.

Oramos vezes sem conta;
erguemos bandeiras;
cegamos às escuras;
esculpimos corpos que usamos sem conhecer
e transportamos cansados e vadios,
impacientes, inseguros, intermitentes,
insipientes, inoportunos, esses transeuntes.

Ostentamos no peito a casa e o prado -
ambos vazios - sem oração que nos oiça.
E maldizemos este ofício de sermos vivos às vezes.


©Álvaro Cunhal - Desenhos da Prisão

Não nos tornámos missionários por insistir na elegia, mas demos por nós crentes e nem o espelho pôde afirmar o contrário. Sustivemos a respiração nos intervalos. Fomos o próprio intervalo. Incendiámos o que criámos e, para não deixarmos rasto, ardemos também. E assim abandonámos a elegia, como Cristo renunciaria ser cristão.

janeiro 03, 2015

©Patrick Zachmann CHILE. June, 1999.
Atacama Desert. Along the Panamerican route n°5 between the towns of Arica and Huara
PLAY Arvo Pärt Salve Regina

fecho os olhos
e amo

de olhos fechados
nada me rouba desse lugar sem tempo
e sou