Mostrar mensagens com a etiqueta $Linda.Martini. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta $Linda.Martini. Mostrar todas as mensagens

outubro 22, 2016

Mantra combate (que rima)

PLAY Linda Martini | Amor Combate

Vou escrever-nos no livro das memórias grandes,
lançá-lo aos elementos,
para não mais abrir.

Entre pó e tempestades, engrandecê-lo na idade,
perfeito e eterno 
como exemplo a não seguir.

Quando no gume da liça:
- Amor ou Liberdade?
Grito de pulmão cheio:
- Liberdade, meu senhor!

E (em)quanto vivo o nome, não importa qual,
respirarei, em obra ressuscitada,
tão perfeitamente inacabada.

outubro 01, 2016

agosto 08, 2015

©Gerard Castello Lopes
PLAY Linda Martini Volta

Beberei o avesso do copo
e o pingo que restar
partilharei contigo.
Seremos um-
pingo e corpo-
no avesso de um erro.

fevereiro 08, 2015

©Daniel Blaufuks
PLAY Linda Martini Lição de Voo N.º1
Eu sei que não porque sim e, no entanto, cansa-me a transpiração de permanecer. Sei o que vejo quando as nuvens se movem em fuga motora e arrastam esta tontura de pés fixos. Mais não serei que a incerteza aberta à máscara que se me emplastra à cara. E o rosto está feito nisto: um conjunto de músculos presos de olhar de cima, em sorriso viciado e mecânico. Seria mais justo deixar cair as máscaras, ou admiti-las singular, afinal, e descer do palco em expressão definitiva e una. Mas eis, então, perante ele- o rosto - o que apresentaria ele nu? Uma tontura? Um devaneio? Uma ilusão? Rostos nus são nuvens em fuga-  perfeitas e inalcançáveis as formas. Longe, será sempre longe, a medida da distância entre rostos nus que se reconhecem. Efémero será o tempo que mede o encontro das nuvens em metamorfose. Mas o cansaço nasce, mesmo, na transpiração de permanecer em céu limpo.

novembro 08, 2014

Linda Martini

©Paolo Pellegrin. KOSOVO. Town of Pristina. 2000




Há tanto tempo que nada acontece
E o mar não cresce para me enrolar, na sua afronta
Há tanto tempo que nada apetece
Já não aquece, é sempre devagar
Tudo se desmonta
Eu vou na volta em ti, traz-me de volta a mim
Pão de centeio, boca morta e língua tonta
Pão de centeio, boca
Vou na volta em ti, traz-me de volta a mim
O fado agora quer ser samba, soltar a corpo, perna bamba


Linda Martini