Mostrar mensagens com a etiqueta $Peteris Vasks. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta $Peteris Vasks. Mostrar todas as mensagens

outubro 11, 2017



PLAY Pēteris Vasks | Plainscapes (Lidzenuma ainavas) for choir, violin, and cello

Como fractais,
em terceira pessoa do plural.

Estrangeiros do tempo,
escravos rarefeitos,
errantes imortais, 
de carne no osso.

setembro 29, 2015

PLAY Pēteris Vasks - Vox Amoris Chaarts  - Sebastian Bohren Fantasie für Violine und Streicher

DE TODAS AS FERIDAS
Lança-me aos pés do coração a luva do silêncio:
Só uma vez no Outono a pedra reverdece - foi ontem;
foi quando o sal nas ruas era tão vermelho,
tão vermelho que se pensaria que era chegada a hora
a que se acena com os véus da meia-noite:
o tempo-de-tulipas dessa hora
em que o desejo enche o copo de toda a gente,
o berço e o caixão de toda a gente,
as pegadas de toda a gente,
a hora que liberta o gelo do teu olhar,
te faz arregaçar a tua sombra
e arranca aos sinos o seu silêncio quando danças.

Lança-me aos pés do coração a luva do silêncio:
foi ontem
e jaz no sangue como nós dois.

Paul Celan
A morte é uma flor, Cotovia, 1998

março 07, 2015

©Mark Power. G.B. ENGLAND. Birmingham. All Saints Hospital. Closed ward.
 A Victorian asylum soon to be converted into a prison. (From the series 'The National Health- Mental Health'). 1998

Hoje- tempo do depois em lugar de princípio.
Ideia de sempre e ontem.
Sombra e vulto e rasto- imaginado e fixo à coisa que é de amar.
Lugar-ideia. Somente ideia.
Lugar-ausência. Somente lugar.
Lugar-ideia-ausência acima da coisa que é de amar.