Mostrar mensagens com a etiqueta $Portishead. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta $Portishead. Mostrar todas as mensagens

janeiro 18, 2017

©Pedro_Luis_Raota | Argentina
PLAY Portishead | Roads

III
sente-se a lentidão, o peso,
minarem cada gesto; e antes
do gesto, a ideia de o fazer;
dançam agora dois a dois,
reconstituem a unidade
cindida ainda há pouco; os pares 
mortais; a vocação
de transformar o tempo em rostos;
somam-se duas mortes
e obtém-se uma criança; ela, sim:
resistirá, crecendo,
ao desgaste do dia,
procurará na outra noite
o corpo que define o seu;
protege-a a espuma, a máscara,
até de madrugada; e então,

IV
das duas uma: reproduz-se
também; ou extingue-se em si
o fluxo da dança;
não é a conjunção dos astros
que comanda tudo,
mas a cor do céu; indecifrável;
embora alguns estudos digam
que há mutações
um resíduo verde persistente;
e outros, um halo de metal,
quase cinzento, em que repousam;
ou donde se desprendem;
certas cores intermédias;
de qualquer modo, a noite
dificulta os tons, subverte-os
sem se dar por isso;

Carlos de Oliveira (1971)  | Entre duas memórias in Trabalho Poético | Assírio&Alvim | 2003

outubro 01, 2016

fevereiro 25, 2015

  ©Larry Towell -San Salvador. 1986. 

PLAY Portishead Roads
E depois não nascemos somente se paridos e envoltos em matéria uterina. Mas tantas vezes nascemos sem termos lugar para ser. Acreditamos, por vezes até à morte, que existem ondes a que achamos pertencer, os mesmos que não sabemos como fazer nossos. Por isso somos tão sem lugar. Somos assim, pontes entre nenhures. Talvez por isso nos habituemos a dores de ausência de lugar- aquelas que já não doem de tanto doer.

janeiro 16, 2015

PLAY Portishead Wandering Star

Por mais é saber que existe e desconfiar que nada de mais sublime nos poderá assaltar. E depois fugimos, resvalamos, inventamos, cegamos, enganamo(-no)s, cansamo(-no)s, matamo(-no)s e ensaiamos despedidas bem antes de morrermos, só porque sabemos que existe, e que não temos como reinventar o nada.