Mostrar mensagens com a etiqueta ©Luis Quiles. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta ©Luis Quiles. Mostrar todas as mensagens

abril 13, 2016


©Luis Quiles
"Hoje, é cada vez mais difícil "ser-se si próprio", descobrir um espaço de diferença para o seu idioma, o seu estilo e a sua sensibilidade. Sob a pressão do êmbolo dos meios de comunicação e da publicidade, até mesmo os nossos sonhos se uniformizaram. Como o pão que comemos, grande parte da nossa existência chega-nos pré-confeccionada. Só em segredo cada um de nós celebra a insolente maravilha de si próprio, só em segredo respiramos - ó enigma da sensualidade! - o cheiro da nossa própria sujidade."

George Steiner (1968)
Extraterritorial, Relógio D'Água, 2014

dezembro 31, 2014

©Luis Quiles

PLAY Snakefinger - Living in Vain

dezembro 14, 2014

©Luis Quiles

PLAY Moby The perfect Life


"Contaram-me que ele tinha uma alegria tão grande que não podia aguentar um copo na mão: quebrava-o com a força dos dedos, com a grande força da sua alegria. Era uma criatura excepcional."



Os Passos Em Volta


Herberto Helder

dezembro 13, 2014

Manuel Cintra

©Luis Quiles

dissolver o cansaço na aspirina o açúcar a angústia
a lembrança no sono o tropeço os falhanços, ligar
com cimentos, construir

chorar de vez em quando às escuras para a febre descer

polir palavras com escova colocá-las com pinça
no interior, derramá-las num jarro sem vinho sobre o papel,
deixar secar, recortar, recompor, calar gritos, escrever

sonhar os poemas que não se escreve, escrever os poemas 
                                                                                            [que não.

podar as plantas nos filhos, mostrar os frutos, o caroço.
o saco de lixo, a hora de ponta, suor. depois lavar. levar
o peito à rua, receber os outros, perdê-los, trocá-los,
devolver este par de mãos àquele mar, afogar em esforço
a carótida torcida do tempo, parar sempre noutra esquina,
fugir à vertigem com o prazer das alturas, perder,

permanecer sentado até à dor nos ossos, cronometrar paciências,
aprender na lentidão a única saída,
rápida

e envelhecer.
   acreditar?

Manuel Cintra, Bicho de Sede, Ulmeiro